Comitê de Infraestrutura e DER debatem sobre o Contorno Rodoviário da Baía de Guaratuba

O Comitê de Infraestrutura do Movimento Pró-Paraná e do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP) recebeu, em sua reunião semanal, nesta terça-feira (19/04), membros do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER). Participaram Daniel Hatiro Fujiwara, superintendente regional; Rui Cezar de Quadros Assad, diretor de operações; e Roberto Abagge, coordenador técnico.

O presidente do Pró-Paraná, Marcos Domakoski, e o presidente do IEP, Nelson Luiz Gomez, abriram a reunião, agradecendo a participação de todos.

Os membros do DER apresentaram o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Rodovia PRC-101, definindo alternativas de traçado, soluções básicas do projeto e características técnicas do empreendimento para que haja um equilíbrio entre viabilidade técnica, econômica e ambiental.

Segundo os representantes do DER, o traçado da PRC-101 conta com dois lotes: o 01 é o segmento sul, que passa pela BR-101 (Garuva), Cubatão e BR-277 Antonina (Marta). Já o 02, que é o segmento norte, abrange a BR-277 (Marta), Cacatu e BR-116. Eles destacaram que o segmento sul, com 60 km de extensão, tem como opção a realização de projeto executivo (1987) do traçado do Plano Nacional de Viação, com início no km 5 na BR-101.

Os integrante do DER falaram também sobre o segmento norte, com um total de 58,9 km de extensão, incluindo uma região montanhosa. Para esse trecho, haveria alternativas de construções de pontes, viadutos e túneis.

Os participantes comentaram sobre as premissas do projeto, como a previsão de interseções importantes em desnível, a necessidade de se evitar áreas urbanizadas e ambientalmente sensíveis, o estabelecimento de faixa de domínio mínima de 120 metros, a previsão de quantidade de obras especiais, bem como de dispositivos e medidas operacionais para prevenção de acidentes, além da realização de um estudo de interferência com as concessionárias em operação.

Como conclusão, apontaram a estimativa total de R$ 4,469 bilhões para custo de implantação, sendo R$ 333 milhões do Paraná.

Em seguida, exibiram os prazos estimados para a elaboração do EVTEA, com estudos técnicos em até 540 dias, e também o prazo de execução da obra, estimado em 60 meses.