Mensagem de Celebração dos 21 anos de criação do Pró-Paraná

O Movimento Pro-Paraná (MPP) chega à maioridade com um significativo acervo de realizações e conquistas em favor do Paraná. Surgido em 2001 por iniciativa de um grupo de cidadãos, sob liderança do saudoso jornalista, advogado e empresário Francisco Cunha Pereira Filho, visou resgatar a identidade paranaense após a ameaça de desmembramento enfrentada – e superada – nos anos anteriores.

Passados 21 anos, a sociedade paranaense se destaca na federação brasileira e conta com o reconhecimento de toda a nação pela contribuição que seu povo, laborioso e inovador, oferece ao desenvolvimento nacional. O Paraná tem expressiva participação na geração de riquezas e divisas. Também está sempre lançando ações inovadoras nos mais variados campos do conhecimento, da arquitetura à conservação dos solos agrícolas de natureza tropical; do pioneirismo de sua universidade federal à organização econômica com sua rede de cooperativas. Nosso estado se destaca como polo da educação a distância, que permitiu vencer com agilidade os desafios impostos pelo isolamento social necessário no enfrentamento da pandemia de covid-19.

No campo institucional são paranaenses lideranças expressivas no cenário nacional, como ministros das cortes superiores, um dos quais assume em fevereiro a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), parlamentares, presidentes e líderes de partidos políticos.

O Pró-Paraná mantém relacionamento contínuo com os que conduzem a vida nacional, seja nas hostes públicas, seja na iniciativa privada.

A propósito, o Pró-Paraná se orgulha de sua contribuição para ampliar no estado a capacidade de reunir interlocutores relevantes de temas cruciais para construir consensos em prol da sociedade, sejam eles agentes públicos ou representantes do setor produtivo.

Ousamos pensar que essa, dentre todas, é a mais relevante conquista do movimento, dado que a partir dela abrimos caminhos para outras tantas que virão.

É permanente o contato com a bancada federal no Parlamento, bem como com dirigentes de entidades nacionais oriundos do Paraná em várias áreas.

Em função dessa presença e atuação em parceria com o governo e entidades representativas, o Pró-Paraná conta êxitos para a sociedade como a articulação que permitiu a construção da segunda ponte Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu, a modernização do Aeroporto Afonso Pena, que serve à Região Metropolitana de Curitiba, a melhoria da infraestrutura do litoral, inclusive com ampliação do canal de acesso ao Porto de Paranaguá, dentre outras bandeiras.

 

Pioneiros

 

Ao lado de Francisco Cunha Pereira Filho na fundação do MPP estiveram o desembargador Luís Renato Pedroso, o ex-ministro Ivo Arzua, empresários como Fernando Fontana, Jonel Chede e Nelson Koerich, intelectuais como Belmiro Valverde Jobim Castor e a professora Chlorys Casagrande Justen, economistas como Domingos Murta e Wilson Portes, engenheiros como Guido Guerios e José Alberto Pereira Ribeiro, jornalistas como Rafael de Lala e Pedro Washington de Almeida, advogados como Cleverson Teixeira, Algacyr Morgenstern e  Áureo Simões, além de muitas outras personalidades de todo o Paraná.

Nestes 21 anos, além do fundador e primeiro presidente, Cunha Pereira, lideraram o Pró-Paraná o professor Belmiro Castor, de saudosa memória, o empresário Jonel Chede e, nas mais recentes gestões, o empresário Marcos Domakoski.

Hoje, ao lado da presidência e dos diretores, atuam como coordenadores dos Conselhos eletivos o advogado José Lucio Glomb (Conselho Superior), o professor Zaki Akel Sobrinho (Conselho Deliberativo) e o economista Wilson Portes (Conselho Fiscal). Ainda integram o corpo diretivo ex-governadores (Mario Pereira e Orlando Pessuti), o ex-ministro Luís Carlos Borges da Silveira, ex-deputados federais, em parceria, lideranças como o presidente do Instituto de Engenharia do Paraná, Nelson Gomez; o presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, Paulo Hapner; o ex-presidente da Academia Paranaense de Letras, Ernani Buchmann, bem como dirigentes de todas as entidades empresariais do chamado o G7 – ACP, Faep, Faciap, Fecomercio, Fetranspar, Fiep e Ocepar.

 

Relevância

 

Ocupando apenas 2,3% do território nacional o Paraná tem a maior produtividade agrícola por metro quadrado, resultado direto da adoção de técnicas de manejo sustentáveis como a inovação do plantio direto, do consórcio entre lavoura, pecuária e floresta regenerada, da geração de energia pela biomassa e muitas outras.

Foi do Paraná uma das iniciativas pioneiras na preservação da natureza com a criação do Parque Nacional do Iguaçu, ainda na década de 1920. Na região agora funciona a portentosa Hidrelétrica de Itaipu, com seu gigantesco programa de reposição das matas lindeiras do reservatório situado no leito do Rio Paraná. É do Paraná ainda, a maior reserva contínua da Mata Atlântica nas encostas da Serra do Mar.

A cidade de Curitiba exibe uma fase dinâmica e sustentável, herança de sucessivos governantes com a qualidade de Jaime Lerner, o criativo urbanista recentemente falecido. São ainda do Paraná figuras de realce no campo da Ciência e da Saúde, como – em atenção aos desafios presentes com a pandemia da covid-19 – os médicos Clóvis Arns da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia; o geneticista Salmo Raskin e Mariangela Simão, vice-diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).