Rumo apresenta estudo sobre viabilidade da malha ferroviária sul

O Comitê de Infraestrutura do Movimento Pró-Paraná e do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP) recebeu, em sua reunião semanal, nesta terça-feira (3/5), profissionais da Rumo Logística, que colocaram em pauta a malha ferroviária sul e os estudos para sua renovação.

O presidente do MPP, Marcos Damakoski, abriu a reunião juntamente com o coordenador do comitê, Luiz Roberto Bruel, agradecendo a atenção dos partipantes. Felipe Cassab, da equipe de planejamento estratégico da Rumo, abriu a apresentação comentando que a renovação da concessão da malha sul envolve um plano de negócios, um cronograma do projeto, detalhamento de características específicas, estudo de demanda e ainda as operações e projetos.

Cassab destacou que a Rumo buscou uma modelagem econômico-financeira que trará vantagens e garanta a viabilidade. Ele citou aspectos específicos do projeto, como a operação em rede, 38 estações com origem de carga, 115 rotas, operações em 4 portos, transporte de 13 produtos base diferentes, trens mistos, operações desbalanceadas, 8 modelos de locomotiva, 5 grupos de vagões e o impacto no cenários Ferroeste e FNS. O cronograma se estenderá até julho de 2022.

O projeto da malha ferroviária trará impactos nas exportações do Paraná, principalmente de açúcar, combustíveis, contêineres e carga solta. Do ponto de vista operacional, estão sendo levados em conta cálculos das sazonalidades graneleiras. Com elas, o volume mensal acumulado dos vagões de frota fica variável. O caderno operacional ainda traz alguns cálculos de capacidade de trechos pela fórmula de Colson e o dimensionamento de frota de vagões e locomotivas.

A metodologia de análise por planilhas, por meio do aplicativo VBA, permite dimensionar as frotas e garantir uma distribuição automatizada, bem como estimar a necessidade de frota adicional e gerar um relatório sobre o volume